ContoPoético

ContoPoético
Sexo a vapor
Voce me espera na porta, eu tão ali, coração aos pulos, o mesmo frio na barriga, como se fosse a primeira vez.
Entro no carro a porta se fecha. somos eu e voce, a sete chaves guardado, um segredo compartilhado.
Nos espaços da casa, não existe mais mundo lá fora, não ha sons, não ha mais ninguem, somente os dois.
Voce e o sorriso no rosto, o cheiro, esse cheiro que só voce tem, que me embriaga, me enlouquece, ao mesmo tempo me enobrece por me fazer tão feliz.
Vem a mão, o beijo, a boca, a minha lingua que só quer a sua, meu corpo todo pedindo, nossas mãos que vasculham, procuram, avança, alcança.
Minha boca de novo te encontra no lugar mais certo, de novo te da mais prazer.
Vem o corpo, o seu corpo, o encaixe do meu, o corpo perfeito.
Delicias, susurros, gemidos, prazer incontido sentido, os corpos se buscam, se unem, prazer total, absoluto, extase, desejo, sedução, tesão sem limites, o jorro gostoso de uma longa espera.
Nossos corpos saciados, cumplicidade no olhar, no rosto a sublime expressão de doçura do fim da saudades.
A conversa, o riso, as novidades contadas no ouvido, confiança total, o nosso segredo.
A busca começa outra vez, são só as nossas vontades, seu desejo em mim, meu prazer em dar mais prazer a voce, de novo explodimos em nossos desejos.
Nossos caminhos seguem assim, sem mais nem porque, apenas somos assim, eu e voce.
A despedida, o beijo sem promessas, e o meu levitar, completa, sigo, sem pensar no amanhã, cada um para o seu rumo, cada qual para o seu mundo.

E só assim eu consigo viver, mais uma vez da minha maneira, só para mim eu tive voce.
E lanço ao universo um mistério que só eu acredito.
Há de durar para sempre!!!