Mudar o Significado 8

Oitava forma – Mudar o Significado – Intenção Positiva

 

Para explicar esta forma de ressingificação – de criação de um significado melhor para os nossos pensamentos – temos que saber primeiro o que é intenção para a PNL, Programação Neuro-Linguísitica.

 

Um dos pressupostos da PNL (você poderá ler mais sobre estes pressupostos, clicando aqui) é o seguinte: “Todo comportamento apresenta uma intenção positiva”. Um comportamento (a ação externa) é diferente da intenção que está por trás do comportamento. Não vemos a intenção, mas podemos ver o comportamento.

 

Por exemplo, posso brigar com um amigo por ele ter dito alguma coisa que me desagradou. Minha intenção?

Minha intenção é de que ele não diga mais coisas do gênero que me desagradam. Outra intenção poderia ser: defender meu ponto de vista ou convencer o meu amigo de que ele está errado.

 

A intenção, portanto, é diferente do comportamento. Um comportamento pode ser ruim ou desastroso – como brigar com alguém que você gosta. Mas temos que descobrir a intenção que está por trás deste comportamento. Descobrindo a intenção, vamos criar um novo sentido. E, consequentemente, teremos mais e melhores opções e escolhas.

 

Para utilizar esta Oitava Forma de Ressignificação podemos pensar ou perguntar ao outro (ou a nós mesmos):

- Que intenção positiva esta pessoa tem ao dizer ou fazer isto?

Sabendo ou mesmo imaginando e sugerindo a intenção positiva, poderemos criar outras formas de atingir o que no fundo queremos.

 

No século passado, era comum em Hospitais Psiquiátricos fazer a lobotomia em pacientes. A lobotomia consiste em cortar um pedaço do cérebro. Os pacientes após a lobotomia assemelhavam-se a pessoas que sofreram graves acidentes. Muitos perdiam a fala ou até mesmo esqueciam quem eram.

 

A intenção positiva da lobotomia era: com a cirurgia os pacientes ficarão melhores. Cortaremos a parte do cérebro que está doente.

 

Como poderíamos utilizar esta Oitava forma de ressignificação?

 

“Tudo bem que a cirurgia poderia melhorar o paciente. Mas não há provas de que o fará, pois não se sabe certamente a origem neurológica do problema. Não é melhor buscarmos formas menos agressivas para melhorar os pacientes?”

 

Para quem trabalha com vendas, esta forma de ressignificação também é muito útil.

 

Imagine que o cliente chega na loja, vê o produto mas diz ao vendedor:

 

“Gostei muito do produto. Mas é muito caro”.

 

O vendedor pode usar esta 8° forma:

“Sei que você quer fazer um bom uso do seu dinheiro. Este produto é realmente um pouco mais caro do que os outros. Mas veja bem que ele possui qualidade muito superior e vai durar muito mais. Se você comprar o outro produto, terá que comprar logo outro. O barato vai sair caro”.

 

Podemos utilizar esta forma em todas as áreas da vida.

 

Sabe aquela voz interna que as vezes fica nos criticando? Podemos perguntar para ela qual é a intenção que ela tem. Descobrindo a intenção por trás da voz, podemos parar com a auto-crítica. E encontrar uma saída melhor do que ficarmos nos auto-criticando.